Estações de baldeação atendem a quem?

A substituição das linhas de ônibus que circulavam direto do bairro para o centro de Belo Horizonte atendeu, prioritariamente, aos empresários de ônibus.

A alardeada vantagem das estações de baldeação - mais opções para você viajar por toda a cidade - poderia ser substituída pela integração dos ônibus através do sistema de bilhetagem eletrônica. Você poderia usar um ônibus e seu cartão poderia lhe dar o direito de usar outro de forma gratuita. Isso já é feito em algumas linhas, mas de forma restrita - quando você sai de uma linha troncal e usa uma linha alimentadora.

Estações de integração estão avançando pela cidade, agora com a implantação do sistema BRT-Move, que se utilizam do mesmo artifício, apenas com a diferença de possuírem, em sua maioria, pistas exclusivas que também propagandeiam que vão deixar o transporte público mais rápido. Mas será que ninguém contou com as enormes filas que o sistema produz, fazendo a vantagem de ganho de tempo com pistas segregadas dos automóveis virar, na verdade, atraso na viagem?

Duvida? Vá para uma estação de integração do Move em um horário de pico qualquer. Sistema de transporte bom é sistema de transporte que político usa. Por que eles não se utilizam do transporte público, aliás, por que querem estar no comando da cidade se nem mesmo se utilizam dos serviços públicos que eles mesmos administram? Algo precisa mudar.


Irmão mais novo da linha 1120, a linha 326 faz a população sofrer com espera e precariedade.


Guerra injusta e infinita

Clique sobre a imagem para melhor visualização.

Tarifa Zero Belo Horizonte

É possível um transporte público que não cobre nada? Quem vai pagar a conta? Já existe exemplos em outras cidades pelo mundo? Veja a discussão sobre a necessidade de se começar a pensar em democratizar o uso dos equipamentos urbanos pela cidade de Belo Horizonte...

Leitura contra as guerras

Clique sobre a imagem para melhor visualização.

Decoreba nunca mais

Ao nos deparar com um conteúdo novo, ele é manipulado pela memória de curto prazo: durante a leitura (ou em uma aula), estamos pensando a respeito do conceito, como ele faz sentido, como ele se aplica. Se quisermos lembrar dele depois de uma hora, no outro dia ou na hora da prova, é necessário transferi-lo para um armazenamento permanente.
Há várias técnicas para fazer isso e qualquer uma delas vai envolver um ou mais dos seguintes cinco elementos: chunking, repetição, imagens, mnemônicos e codificação.

Brasil 01 x 70 Alemanha


O porto de Santos é a cafeteira do mundoum terço do café tomado na Terra passa por ali, numa jornada que começa nas fazendas do Brasil e termina nas xícaras de Madrid, Milão, Moscou, Kiev… Não só nas xícaras. O maior comprador do nosso estimulante preto, ao lado dos EUA, é a Alemanha. Mas eles não tomam tudo. Revendem uma parte razoável, porque é um negocião: os alemães pagam mais ou menos R$ 400 em cada saca de 60 quilos e reexportam para o resto da Europa por R$ 800. Sem industrializar nada, só revendendo café “cru” mesmo, do jeito que ele sai das roças daqui.
Não é malandragem, é logística: eles podem fazer isso graças à sua malha ferroviária cheia de tentáculos, veias e artérias. Reexportar dali para o resto da Europa é fácil. Num ano típico, os caras importam 18 milhões de sacas e revendem 12 milhões. Isso faz da Alemanha o terceiro maior exportador de café do mundo, atrás apenas do Brasil e do Vietnã. Tudo sem nunca ter plantado um pé de café. 
Tem mais. Das 6 milhões de sacas que ficam dentro da Alemanha, uma parte vai para Schwerin, uma cidadezinha de conto de fadas perto da fronteira com a Dinamarca. Por lá, os grãos brasileiros reencarnam na forma de cápsulas de Nespresso. E ganham preços que até outro dia só eram praticados no mercado de outro estimulante – branco. Um quilo dessas cápsulas acaba saindo por R$ 400 no varejo, quase setenta vezes o quilo do café cru. 70 X 1 para a Alemanha.

Fonte: Portal Revista Superinteressante. Disponível em: http://super.abril.com.br/blogs/crash/70-x-1-para-a-alemanha/. Acesso em 22 Jul 2014.

Furo ou não o sinal?

Você está parado em um semáforo com registro de avanço, os populares pardais. Aí vem uma viatura (polícia, bombeiros ou ambulância). Você arranca e avança o semáforo ou não?

A reposta é sim! Pode avançar o semáforo sim! Leia abaixo a explicação da BHTrans, órgão regulador de trânsito da Prefeitura de Belo Horizonte:

Clique sobre a imagem para melhor visualização.

Fonte: Portal BHTrans. Disponível em: http://www.bhtrans.pbh.gov.br/portal/page/portal/portalpublico/Temas/Automovel/detectores-avanco-semaforo-2013. Acesso em 17 Jul 2014.

Contra o abuso sexual

Pesquisas revelam que 46% das crianças violentadas são vítimas de membros da família. 

É como na célebre frase do Dr. House, personagem fictício: "As pessoas perigosas não invadem sua casa, elas moram nela".


Fonte: Portal Catraca Livre. Campanha contra abuso sexual. Disponível em: https://catracalivre.com.br/geral/design-urbanidade/indicacao/princesas-da-disney-protagonizam-campanha-contra-abuso-sexual/#. Acesso em 16 Jul 2014. Adaptado.

Documentário WikiRebels

Os bastidores do WikiLeaks. Pode um país invadir outro e decidir, aleatoriamente, se pode atirar de um helicóptero contra civis com armas que perfuram blindados? E ainda querer manter sigilo sobre isso?

Até onde vão os limites da transparência? Toda informação deve ser divulgada? Coloca-se mais de um lado em perigo? Veja o documentário e reflita.

Qual a distância ideal entre latas de lixo?

É o intervalo regular de 8 em 8 metros. Os designers do Walt Disney World descobriram que esta é a distância que uma pessoa média carregaria lixo antes de jogá-lo no chão.

Em Belo Horizonte, essa distância certamente é maior. Será que alguma cidade brasileira respeita essa norma?


Fonte: Michael D. Eisner. O jeito Disney de encantar os clientes. Saraiva. p.26.



Ônibus do Move

Clique sobre a imagem para melhor visualização.
Em Belo Horizonte, a falta de padronização do transporte coletivo tem sua presença marcante. Nos recém-implantados ônibus do Move não podia ser diferente. A imagem acima, retirada da capa da página da BHTRANS no Twitter, estampa o problema: duas linhas diferentes do BRT da capital mineira se apresentam da seguinte maneira:

-Linha 50: aparece no letreiro que a linha é DIRETA.
-Linha 83D: aqui o D é colocado na frente do número 83 para indicar que a linha não faz paradas no caminho, uma boa ideia. Mas à frente do D vem a explicação que a linha é DIRETO. Bom, o mais sensato aqui é pensar que o ônibus é DIRETO, para acertar gramaticalmente.

Este problema ataca quase todos os ônibus de Belo Horizonte: cada empresa concessionária faz do seu jeito. E os usuários ficam todos perdidos. Parabéns ao poder público!

As 10 mais lidas