O que é laterização?

O surgimento de crostas formadas a partir da concentração de hidróxidos de ferro e alumínio em certos tipos de solo, o que pode impedir a penetração das raízes.

Apesar da exuberância da Floresta Equatorial Amazônica, os solos dessa região são, em sua maioria, mineralogicamente pobres. Decorre daí a importância de se introduzir políticas de desenvolvimento sustentável para evitar a desertificação em sua região de ocorrência.

O principal fator responsável pelo natural empobrecimento dos solos amazônicos sob a floresta é a laterização.




Fontes: Portal Guia do Estudante. Diponível em: http://guiadoestudante.abril.com.br . Acesso no dia da postagem.
Concurso público professor Geografia prefeitura Várzea Paulista - SP. 2010. Adaptado.

Existe terremoto no Brasil?

A resposta é sim. Não em quantidade e magnitude dos terremotos japoneses, mas o Brasil não está livre de tremores. Veja o mapa,  a legenda de refere à magnitude dos abalos sísmicos. No caso do extremo oeste brasileiro, no Acre, é uma região mais propensa a abalos devido à proximidade com a Cordilheira dos Andes.

Produção de alimentos x crescimento da população


A análise do gráfico permite a constatação de que a produção de alimentos supera com sobras o crescimento demográfico, colocando por terra as teorias alarmistas (neomalthusianismo) que imputam ao crescimento demográfico das nações mais pobres a causa primeira do crescimento do espectro da fome no planeta. Assim ele comprova que mais do que o crescimento demográfico, é a má distribuição dos recursos produzidos o principal fator responsável pela fome no mundo.

Fonte: Portal Guia do Estudante. Adaptado. Disponível em: http://guiadoestudante.abril.com.br . Acesso no dia da postagem.

Sobre a globalização...

Millôr Fernandes

De onde vem o nome dos planetas do sistema solar?

Veja o vídeo, bem instrutivo:

Estacionamento Rotativo: o uso do espaço urbano

A disputa pelo uso do espaço urbano
-O espaço é finito, mas parece que as grandes montadoras de automóveis não querem nem saber sobre o problema.
-A cada dia, nas grandes cidades, existe mais e mais automóveis nas ruas, devido à falta de investimentos adequados em transporte público por parte do Estado.
-Quem usa ônibus em Belo Horizonte sabe: é lotado, e as vezes passa no ponto de ônibus sem parar. A qualidade é péssima.
-Assim a população tem hoje a aspiração de comprar um veículo para trocar o transporte coletivo pelo individual.
-O que ajuda nessa troca é a grande oferta de crédito, podendo o consumidor pagar em prestações a perder de vista, pagando juros por isso.
-A compra parcelada é como um pedido de empréstimo, um financeira ligada a um banco quita o veículo e você paga as prestações com juros.


O engano
-Se todos conseguissem ter automóveis e saíssem ao mesmo tempo a cidade não andaria.
-É o que vem acontecendo nas grandes cidades, e o poder público tenta diminuir o problema com medidas paliativas como pedágio urbano (em cidades europeias), rodízio por placas (já implantado em São Paulo) e investimento em duplicação de grandes avenidas, o que aumenta o espaço para os veículos mas não acaba com o problema.
-Onde estacionar todos esses veículos? Já existe a ideia de implantação de estacionamentos no subsolo, proibindo o estacionamento nas avenidas e ruas para facilitar a circulação.
-A proliferação de estacionamentos pagos pelas cidades é grande, e é uma solução cara, já existem cidades onde é mais barato deixar um carro rodando por uma hora do que deixá-lo estacionado em um desses estabelecimentos.
-Com relação ao espaço público, as prefeituras implantam, em certas áreas, estacionamentos rotativos, que visam estabelecer tempo limite para estacionamentos, mediante pagamento de talões de rotativos.

Propaganda da prefeitura
-Veja abaixo resumo da publicação do diário oficial municipal, explicando como funciona o estacionamento rotativo.

Oferta de vagas
A Prefeitura de Belo Horizonte aumenta a oferta de vagas de estacionamento no bairro Barro Preto com a implantação de novas áreas de estacionamento rotativo a partir de hoje. Para atender às necessidades dos motoristas, estão sendo criadas 943 novas vagas físicas em 26 quarteirões e o tempo de permanência em outros dois quarteirões do bairro está sendo alterado, possibilitando que mais 3 mil veículos estacio­nem diariamente. Pesquisadores da BHTrans e folhetos informativos orientarão os condutores. Com a implantação das novas vagas, a região do bairro passa a contar com 3.314 vagas de estacionamento rotativo, que permitem que 13.324 veículos estacionem diaria­mente em 110 quarteirões da região.



[...]

O estacionamento rotativo aumenta a oferta de vagas nas regiões de grande concentração de comércio, serviços e lazer, oferecendo aos motoristas mais oportunidades de estacionamento e contribui para melhorar a qualidade de vida, com o aumento da fluidez do trânsito. O sistema conta com 19.647 vagas físicas que, quando é respeitado o tempo de permanência máximo, se transformam em 87.765 oportunidades de estacionamento em 740 quarteirões da capital. A folha do rotativo custa R$ 2,70 e é válida para utilização em qualquer dos tempos regulamentados. Ela pode ser adquirida em um dos 728 postos de venda credenciados da capital.

O rotativo é implantado onde a quantidade de veículos que necessitam estacionar é maior que o número de vagas físicas disponíveis. A proposta do sistema é garantir a rotatividade, ou seja, multiplicar a utilização das vagas físicas para estacionamento de veículos. Trata-se de um instrumento de política urbana adequado à melhoria da circulação na via e à democratização do uso de espaços públicos. Ele permite que a população usuária do serviço tenha melhor acessibilidade a áreas de comércio, serviços e lazer, como é o desejo e a necessidade da cidade.

A receita líquida do estacionamento rotativo é aplicada em melhorias do sistema viário da cidade, como manutenção e implantação de sinalização, operação de tráfego, fiscalização do trânsito e programas de segurança e educação, conforme demonstrativo publicado na capa do talão. O sistema funciona de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 13h (em alguns locais o uso da folha é liberada aos sábados). Aos domingos e feriados não é necessário o uso do talão do rotativo.

As folhas de rotativo possuem uma área especial com um bônus destinado ao estacionamento gratuito por até 30 minutos. Dessa forma, se o usuário vai fazer um serviço rápido, ele pode utilizar este bônus e estacionar gratuitamente em qualquer área de estacionamento rotativo, não tendo que pagar para estacionar por apenas alguns minutos.

Fonte: DOM Belo Horizonte. 25 mar 2011.

Nossos recursos são finitos

Importância da mineração
-Quase tudo o que temos contato hoje tem sua origem na mineração.
-Quando você pega um ônibus, os balaústres em que você segura para não cair tem origem na mineração.
-Quando você está assistindo televisão, ela não existiria sem a mineração.
-No chuveiro também, a resistência elétrica é feita de metal, que vem da mineração.
-Resumindo, é difícil você encontrar alguma coisa em suas vidas que a mineração não tenha tido influência.

Dilemas
-Os recursos minerais não são infinitos, eles algum dia acabarão.
-Nossa sociedade tem alta dependência de produtos minerais, e no futuro essa dependência tende a aumentar.
-O que as novas gerações de pessoas farão com esse problema no futuro?

Estudo de caso: as telas touchscreen


-Usadas hoje principalmente em smartphones e celulares.
-O material dessas telas tem como item básico uma mistura de óxidos metálicos de Índio (90%) e Estanho (10%), chamado de OIE - Óxido Índio-Estanho.
-Esse material é usado também em televisões de tela plana, LCD e de Plasma.
-O componente principal do óxido, o Índio, é difícil de ser encontrado e bem caro.
-Ele se constitui um subproduto da mineração de Chumbo e Zinco, e ninguém sabe ao certo quanto existe no mundo.
-Estima-se que a maior parte esteja na China e que o estoque possa acabar em 2020.
-O Índio é um material raro que conduz eletricidade e ao mesmo tempo é opticamente transparente. Essas características o tornam onipresente em aparelhos eletrônicos como celulares ou qualquer tipo de LCD.
-Novas reservas podem ser encontradas, mas a demanda tende a aumentar e pode não ser satisfeita, encarecendo ainda mais produtos que tenha OIE.

Saídas
-Troca do material por outro com propriedades similares.
-Alternativas: uso de Cádmio, mas ele é muito tóxico; uso de nanotecnologia com carbono ou prata, mas são muito mais caros e têm problemas de condução de energia elétrica.
-Os problemas da troca de material passam então por problemas técnico-econômico-ambientais difíceis de se contornar.

Curiosidade
-Você sabia que a tecnologia touchscreen tem vida útil média de apenas 18 meses, o que faz a necessidade de OIE aumentar ainda mais?
-O uso do OIE é mais amplo em smartphones, que normalmente são trocados com frequência mais rápida que sua vida útil.
-Você já viu alguma pessoa dizer: "Eu tenho meu celular há dois anos e estou muito feliz!" Difícil né?
-Mas com a ampliação de seus usos em TVs e tablets, o desafio é aumentar a vida útil de aparelhos touchscreen para diminuir a necessidade de minerar mais Índio.
-Mas a atual configuração econômica tende a diminuir a vida útil de todos os equipamentos eletrônicos para se vendar mais mercadorias.
-Durma com um barulho desses!! Nossos recursos são finitos, mas para lucrar mais as empresas aceleram o consumo desses recursos.

Fonte: Revista Info Exame. Janeiro 2011.


Análise de perfil topográfico


Analise o mapa topográfico da figura 1, onde estão representados os principais elementos do relevo de um trecho do território brasileiro. Analise também a proposta de zoneamento ambiental da figura 2, para essa mesma área, elaborada por uma equipe de especialistas em planejamento territorial.

A partir dessas análises, é incorreto afirmar que:

a - W, devido às características de seu relevo, apresenta potencial para o uso agrícola, com destaque para os cultivos anuais que empregam mecanização.
b - X, por se estender pelas margens de rios e abranger nascentes e áreas adjacentes, tem sua proteção assegurada pela legislação ambiental brasileira.
c - Y, em razão de sua topografia relativamente plana e da proximidade de cursos de água, apresenta potencialidade para prática de agricultura irrigada.
d -  Z, graças à declividade suava e à ausência de risco associado a cheias de rios, revela potencial para implantação de equipamentos urbanos.

Resposta correta: selecione o espaço entre parênteses abaixo.
( Letra A )

Fonte: Vestibular UFMG 2010. Adaptado.

As redefinições de fronteiras pelo mundo

As fronteiras do mundo não são estáveis, desde que o mundo é mundo. No século XXI ainda se assiste às constantes mudanças de territórios. Criação de países acontece frequentemente, e a pressão para que sejam criados novos ainda existe pelo mundo.

Para ilustrar o desespero dos cartógrafos na construção de novos mapas de maneira tão frequente, uma revista de grande circulação em 2008 estampou a seguinte charge, referindo-se à criação do novo estado de Kosovo, que pertencia à antiga Iugoslávia:

Correntes frias e correntes quentes

A corrente de Humbold, representada pelo número 1 no mapa abaixo, favorece a concentração de cardumes, o que vem permitindo aos países latino-americanos da costa do Oceano Pacífico um lugar de destaque na produção de pescado e de farinha de peixe. Já a corrente do Golfo, representada pelo número 5 no mapa, ameniza o clima frio dos países norte-americanos na costa do Oceano Atlântico.



Cinturão ou círculo de fogo do planeta

As áreas onde ocorrem terremotos e vulcões ativos são denominadas de “Círculo de Fogo”, caracterizando-se pelas instabilidades sísmicas e pelos dobramentos recentes.


É representado pelas áreas destacadas abaixo, de cor mais escura. Os pontos vermelhos indicam a localização de vulcões pelo planeta:



Sobre o desmatamento...


Fonte: Portal Ciclo Vivo. Disponível em: http://www.ciclovivo.com.br/ . Acesso no dia da postagem.

Sobre o Himalaia e as Fossas Marianas


Em X e Y, indicados nessa figura, estão representadas duas feições de relevo. Com relação a essas feições, é correto afirmar que:

a - X e Y foram formadas em consequência da separação de placas tectônicas.
b - X foi formada em consequência da colisão de placas tectônicas e Y, em consequência da separação delas.
c - X e Y forma formadas em consequência da colisão de placas tectônicas.
d - X foi formada em consequência da separação de placas tectônicas e Y, em consequência da colisão delas.

Resposta correta: selecione o espaço entre parênteses abaixo.
( Letra C )

Fonte: Vestibular UFMG.

A explosão nos reatores nucleares japoneses

Video da BBC Brasil explica o que aconteceu com os reatores nucleares no Japão após os terremotos. Minha posição particular é contrária ao uso desse tipo de energia, mas o fato é que o Japão não pode se dar ao luxo de desligar todos seus reatores.

O Brasil ainda pode. Não dependemos deste tipo de energia. E não podemos começar a depender. É um erro, a energia é mais cara, e o risco de um possível acidente nuclear não compensa. Ninguém garante que Angra I, II e a futura III nunca venha a ter algum tipo de problema no futuro.

Sim ao desligamento e fechamento das usinas de Angra. Ainda há tempo.

Sobre a universidade pública...

"Sempre me pergunto por que a esquerda brasileira quer subsidiar os mais ricos na universidade. É um contrassenso. Olhe o que aconteceria caso os estudantes de renda mais alta pagassem algo como 1 000 dólares por ano às instituições públicas em que estudam. Logo de saída, o orçamento delas aumentaria na casa dos 15%".

MARTIN CARNOY. Doutor em economia pela Universidade de Chicago e professor na Universidade Stanford, nos Estados Unidos.


Quais os melhores dias para ir ao banco?

Ir aos bancos hoje é uma aventura. Filas intermináveis, mau atendimento e riscos de assaltos e até de morte. Mas não é à toa que essas instituições foram as que obtiveram os maiores lucros da economia do ano de 2010.

O Brasil é um país extremamente fértil para a proliferação de bancos. A taxa de juros é altíssima, ou seja, emprestam dinheiro para empresas como indústrias ou comércios com alta rentabilidade. E fazem isso com o dinheiro depositado pelas pessoas comuns, que recebem em troca margens de lucro que frequentemente não superam 1%.

E o pior está na qualidade de seus serviços: com a proliferação dos caixas eletrônicos e dos serviços oferecidos via telefone e internet, a sensação é de que além de clientes somos também funcionários dos bancos, ou seja, fazemos os serviços que antigamente os bancos pagavam para funcionários fazerem. E ainda pagamos altas taxas bancárias para isso. Em resumo: pagamos para trabalhar para os bancos! A quantidade de funcionários dos bancos pôde então ser reduzida a uma margem que ampliasse a lucratividade bancária diminuindo a qualidade dos serviços oferecidos à população.

Para diminuir os efeitos colaterais dessas medidas não são raras campanhas educativas como a distribuição de folhetos como o representado abaixo, ou ainda um funcionário na fila dizendo que você pode pagar um determinado boleto no caixa eletrônico ou dizendo que você pode voltar em um dia mais "tranquilo" para pagar determinado compromisso.

Então se você não quer passar tanta raiva no uso do serviço bancário, a dica é seguir as orientações do folheto abaixo. Afinal não há como escapar, infelizmente.


Fonte: Banco Bradesco.

O poder legislativo, para crianças entenderem, ou não

Por que o Tiririca, que não estudou, ganha mais que um professor, que se matou de estudar? Explica pra gente Marcelo Tas:

Por que construir uma casa voltada para o norte?

Face norte ou sul?
Uma das coisas que mais influenciam a luminosidade natural de um imóvel é a posição do terreno em relação à trajetória do Sol ao longo do ano. Não por acaso, esse é um dos primeiros aspectos analisados por um arquiteto ao elaborar um projeto, e um dos primeiros itens que se deve levar em conta ao comprar um apartamento. Afinal, por que é tão importante que ele tenha a face voltada para o norte? 

É que aqui, no hemisfério sul, o Sol cruza o céu mais ao norte (quanto mais ao sul for a cidade, mais ao norte estará o Sol ao meio-dia). Logo, imóveis com paredes e janelas voltadas para o norte recebem mais luz e calor durante o ano todo. Isso vale para quem vive nas regiões Sul, Sudeste e parte do Centro-Oeste. Nas regiões Norte e Nordeste, essa regra vale menos. Primeiro, porque o Sol cruza o céu mais a pino. E segundo que o calor, nessas regiões, é algo mais a ser evitado do que atraído. Sob a linha do Equador, como em Macapá, por exemplo, a luz é perfeitamente dividida no ano. A face norte é mais ensolarada entre abril e setembro, enquanto na sul bate sol entre outubro e março.


Para ter a fachada sempre iluminada, a posição da casa, no hemisfério sul, deve ser voltada para o norte.


Fonte: Portal Revista Vida Simples. Disponível em: http://vidasimples.abril.com.br/subhomes/morar/morar_237941.shtml?pagina=0. Acesso no dia da postagem.

O que fazer em um terremoto?




  • 1Proteja-se e proteja a sua família. Esconda-se embaixo de mesas para proteger a cabeça da queda de objetos

2Desligue o gás e aquecedores de óleo assim que perceber os tremores


3Não saia correndo de casa. Verifique cuidadosamente a situação e tente agir com calma


4Abra a porta para assegurar uma saída. Após os tremores a porta pode ficar deformada impossibilitando a saída


5Do lado de fora, proteja a cabeça e fique longe de objetos perigosos



6Se você estiver em uma loja, siga as instruções da equipe de funcionários. Evite entrar em pânico e mantenha a calma



7Estacione o carro do lado esquerdo. Escute ao rádio e tome atitudes adequadas


8Cuidado com a queda de rochas, deslizamentos de terra e tsunamis



9Prefira andar a pé em vez de usar o carro e carregue apenas o que precisar


10Evite ser enganado por falsos rumores e tente agir de acordo com informações corretas

Fonte: Portal Revista Veja. Disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/no-japao-prevencao-a-terremotos-vem-do-berco. Acesso no dia da postagem.

Energia de Pontes?

Energia de ponte, já ouviu falar? Ela será utilizada, em breve, na Itália, graças ao projeto arquitetônico dos profissionais Francesco ColarossiGiovanna Saracino e Luisa Saracino. Eles desenvolveram e apresentaram ao governo italiano o projeto Solar Wind, que prevê revitalizar uma ponte atualmente desativada no país e torná-la capaz de produzir eletricidade para cerca de 15 mil casas da região.

Como? A ideia é tão simples que nos faz questionar como ninguém pensou, antes, em um projeto semelhante. Os designers propõem reformar a ponte, instalando em toda a sua estrutura de sustentação 26 turbinas eólicas, capazes de produzir energia. Além disso, os 22 quilômetros de pista serão revestidos com painéis solares, que também poderão gerar eletricidade. Como pontes estão constantemente expostas ao sol e ao vento, a previsão é de que a Solar Wind produza cerca de 40 milhões de kW/h por ano para a região de Calábria, onde está localizada.
A ponte ainda ganhará quiosques, onde serão vendidos alimentos orgânicos, com a intenção de tornar o local – que tem uma vista incrível! – em um ponto turístico italiano.
O projeto foi um dos vencedores do concurso New Italian Blood, promovido pelo governo italiano, que premiou as melhores ideias para o reaproveitamento das várias pontes que estão velhas e desativadas em todo o país – já que demolir essas construções custaria muito caro.

Fonte: Portal Revista Superinteressante. Disponível em: http://super.abril.com.br/blogs/planeta/pontes-rodoviarias-sao-fonte-de-energia-na-italia/. Acesso no dia da postagem.

As 10 mais lidas